Escolha uma Página

Nosso ciclo, mulher, do ponto de vista endócrino, hormonal, físico, é complexo. Não havia outro jeito das emoções se comportarem, senão igualmente de forma complexa.

Conhecer como funciona o ciclo menstrual nos ajuda a compeender como aproveitar melhor cada uma das suas fases. Sem romantização e sem vitimização, tomando consciência.

Neste post eu resumo cada uma das fases buscando uma linguagem o mais simles possível. Não se assuste com os termos, você se acostuma. E se tiver dúvidas deixe nos comentários ue falaremos sobre elas.

Para começar, podemos dividir as fases do nosso ciclo sob diferentes pontos de vista. Claro, tudo acontece interligado, mas é olhando cada parte que podemos entender melhor como nosso corpo se comporta.

1. Sob o ponto de vista dos ovários

Se considerarmos o que acontece nos nossos ovários, dividimos o ciclo em duas fases: 

Fase folicular: antes da ovulação

Fase  lútea: a partir da ovulação

O primeiro dia da menstruação é o primeiro dia do ciclo e marca o início da fase folicular, que deve se encerrar por volta do 13º ou 14º dia, quando você ovular. 

Na fase folicular, o corpo feminino libera um hormônio chamado hormônio folículo estimulante. É uma glândula, conhecida como hipófise, que produz e libera esse hormônio.

E o que ele faz? Ele estimula o folículo ovariano, ou seja, a formação de um monte de células contidas dentro o óvulo. Esse folículo cresce amadurecendo o óvulo e com isso o corpo começa a produzir um outro hormônio chamado estradiol (o estrogênio vem dele), que faz a parede que reveste o útero começar a se preparar para receber um possível embrião no caso da fertilização do óvulo.

Chega um momento que o óvulo está formado e maduro. É quando o folículo se rompe e o óvulo é liberado e direcionado às tubas uterinas com ajuda de fímbrias, que é como se fossem pequenos tentáculos. Isso vai acontecer praticamente na metade do seu ciclo marcando o início da fase lútea. 

Você pode perceber que a ovulação está chegando porque a vagina produz um muco mais viscoso, que parece uma clara de ovo. A libido também costuma mudar quando chega a ovulação e muitas mulheres sentem também uma cólica bem pontual.

Com a ovulação o corpo começa a produzir a progesterona, que é o hormônio fundamental para manutenção da parede que reveste o útero para receber o embrião. Se o óvulo foi fecundado, ele se implanta no endométrio e começa a gestação. Se não há fecundação, não há embrião e, portanto, não há bebê. E é aí que o corpo deixa de produzir a progestrerona. É como um sinal pro nosso organismo: “hey, não tem embrião. Pode deixar de sustentar essa parede do útero aí”.

E, então, acontece a queda hormonal e sem a progesterona e o estrogênio o endométrio não se sustenta. A parede do útero descama junto com sangue e começa outro ciclo com a chegada da menstruação. A fase lútea dura 14 dias.

2. Sob o ponto de vista do útero

Uma coisa é o que acontece com os ovários: folículo amadurece, libera óvulo e pronto. É a essência da vida.

Mas nesse tempo, o que acontece com o útero?

Sob o ponto de vista do ciclo uterino, o ciclo menstrual é dividido em 4 fases (respira que tá tudo bem. Ao longo do processo você começa a sacar melhor):

2.1. Fase menstrual;

2.2. Fase pré-ovulatória (proliferativa ou estrogênica);

2.3. Fase ovulatória;

2.4. Fase pré menstrual (Secretora ou progestacional).

Acompanhe com calma, e tudo bem se não entender de primeira:

2.1. Fase menstrual:

Estamos menstruando, certo? Estrogênio e progesterona estão em baixa. Significa que não houve fecundação, toda a preparação da parede do útero para receber o óvulo foi em vão e então. Com a queda da progesterona, o endométrio se descama junto com sangue. Por isso que existem alguns coágulos junto com o sangue e a cor pode variar.

2.2. Fase pré-ovulatória:

a partir do momento que menstruamos, devagarinho o corpo começa a produzir o estrogênio. Um hormônio danado que influencia demais o nosso corpo. Sua concentração aumenta conforme o folículo ovariano amadurece e atinge o pico da sua produção na ovulação.

2.3. Fase ovulatória:

temos um pico de estrogênio e junto com isso o início da produção da progesterona que vai fazer a modificação e sustentação da parede do útero pro caso de haver uma fecundação. A parede do endométrio fica bem espessa paro embrião poder “grudar” ali e começar a crescer.

2.4. Fase pré-menstrual:

se houve a fecundação a progesterona continua aumentando e se mantém alta durante toda a gravidez. Mas se não houver embrião, os níveis de progesterona começam a cair e, até que, sem a ação deste hormônio a parede do útero começa a se descamar. E, então, começa novo ciclo menstrual.

 

3. Sob o ponto de vista emocional/comportamental – nossa lunação

Mas e quando a mulherada não sabia nada sobre essa coisa de variação hormonal? Mulheres simplesmente observavam como se sentiam e respeitavam os pedidos do corpo, seguindo os sinais da sua própria natureza. Essa observação dá origem a um conhecimento que faz referência do nosso ciclo menstrual com as fases da lua.

O ciclo lunar, da natureza, tem também 28 dias, você sabia? Assim como a média de duração do nosso ciclo menstrual. E, a partir da observação dos fenômenos comportamentais, foi possível ampliar a visão para a totalidade do corpo e identificar padrões que acontecem em cada fase do ciclo.

Assim, sob o ponto de vista lunar nosso ciclo também é dividido em 4 fases:

3.1. Lua nova:

equivalente à fase menstrual. Estamos iniciando um novo ciclo. Pede reflexão e cuidado.

3.2. Lua crescente:

equivalente à pré-ovulatória. Começamos a ganhar nova energia de criatividade.

3.3. Lua cheia:

equivale à fase ovulatória. Estamos no nosso pico de energia, em expansão, querendo exteriorizar, manifestar a nossa luz.

3.4. Lua minguante:

equivalente à fase pré-menstrual. Quando o corpo se prepara para uma gestação ou para um novo ciclo. Estamos mais interiorizadas com a possibilidade de gerarmos nova vida.

Observando cada uma das fases e seus hormônios,  vamos descobrindo em primeira pessoa, como podemos fazer para aproveitar melhor as mudanças do nosso corpo.

Cris Ferrari

Cris Ferrari

Terapeuta e Instrutora de práticas corporais e meditativas

Desde pequena observadora. Interessada por tudo que forma o corpo e influencia a atitude. Acredito que nossa realidade é construída de dentro para fora e que na quietude do silêncio nos encontramos com a calmaria da essência da vida.

Seu pré-menstrual interfere nas suas atividades de vida?

Quais sintomas seu corpo manifesta no pré-menstrual? Como eles afetam as diferentes área da sua vida? Esse teste é um convite a autoavaliação e aumenta seus percepção sobre si mesma.